Home » Artigos » Bens Quilombolas Materias e Imateriais » h) Jogo de capoeira e suas associações e confederações

h) Jogo de capoeira e suas associações e confederações

Matéria escrita em 2003 e atualizada em 25.01.2019.

Atualmente, a mais divulgada de todas as manifestações culturais afro-brasileiras é, sem dúvida, a capoeira. Está se espalhando pelo mundo. Há escolas de capoeira até na Austrália, Canadá, Estados Unidos, e em dezenas de outros países,  como se constata facilmente na Internet.

Capoeira, na verdade, é palavra advinda do tupi agregada à língua  geral falada pelos brasileiros até por volta de 1700/1759. Segundo Yeda Pessoa de Castro, significa “s.f. jogo atlético de origem banto, constituído por um sistema de ataque e defesa, de caráter individual, acompanhada pelo toque de berimbau, e que, apesar de intensamente perseguido até as primeiras décadas do séc. XX, sobreviveu à repressão e hoje se amplia e se institucionaliza como prática desportiva regulamentada. Consta de duas modalidades: coou(i)ra-angola, copoe(i)ra-regional. Ver jogo-de-capoe(i)ra, roda-de-capoe(i)ra. Kik./Kimb. Kambulila>kambulela, ação de repelir, esquivar-se, aparar, rechaçar mutuamente, aos pares, com rasteiras e golpes de pé[1].

Rugendas (1822/1825) – Capoeira ou Jogo de Guerra

Achei na Internet (no ano de 2003)[ os seguintes endereços de escolas de capoeira em Minas Gerais que, ao que parece, devem ter sido modificados mas que ainda podem ser achados pelo nome das academias.

Academia de Capoeira Arte & Luta – Belo Horizonte

O Grupo de Capoeira Arte & Luta foi criado em meados de 1991 (mas só foi efetivamente batizado em 1992), pelo então aluno do Mestre Macaco, Cláudio Miraglia (KK). Tendo freqüentado a antiga Academia Ginga desde 1984, o KK decidiu já ser tempo de seguir seu próprio caminho, mesmo sem cortar vínculos com sua escola anterior.
http://pagina.de/arteeluta

Academia Light
http://olympia.fortunecity.com/white/286/academia.html
Grupo Capoeira Gerais – Belo Horizonte (MG) – Mestre Mão Branca <://www.capoeira.esp.br
Centro Cultural Senzala de Capoeira – Uberaba (MG) – Professores Boca and Zumbi
(under construction) http://www.geocities.com/Colosseum/Park/1053
Capoeira Nação – Governador Valadares (MG) – Mestrandos Guigui and Tucano, Prof. Tetê
(guestbook, chat)
http://capoeiranacao.cjb.net [http://www.angelfire.com/de/capoeiranacao] (under construction)

 

Semente do Jogo de Angola – Santa Rita do Sapucaí – MG

http://members.tripod.com/CapoeiraAngola

Associação Cultural Quilombo do Queimado – Ipatinga (MG) – Mestre Merrinho de Caio,
Centro Cultural Oficina da Capoeira – (lyrics)
http://www.geocities.com/Baja/Cliffs/3057
Centro Cultural Rio Minas Capoeira e Artes – Belo Horizonte, São José da Lapa (MG), Rio de Janeiro (RJ) – Prof. Calango, Contra-Mestre Carlinhos Aidê
(Graduação, Hino do grupo, História, Músicas, Instrumentos)
http://www.angelfire.com/ok/riominas
Grupo de Capoeira Semente do Jogo de Angola (SJA) – Santa Rita do Sapucaí (MG) – Prof. Sombra – (Toques, Eventos)
http://members.tripod.com/CapoeiraAngola
Grupo Bantus Capoeira Belo Horizonte
Mestre Pintor
Paulo César Leite dos Santos, hoje conhecido como Mestre Pintor, iniciou-se na Capoeira brincando com seus amigos, Káka e Lelé, nas ruas dos bairros Floresta e Santa Tereza. Era um aprendizado bem primitivo, sem nenhum fundamento, como mandava a época.
http://netpage.em.com.br/bantus/

A capoeira é um bem cultural já firmado no setor esportivo, de fácil colocação na área de turismo. Fala-se, cada vez mais, em Capoeira DE ANGOLA.

Evidente que atualmente deve haver ainda nas Minas Gerais dezenas de outras entidades de capoeira, formalizadas e não formalizadas, que não possuem páginas na Internet.

Atualmente, 2019, o próprio IPHAN publicou um mapeamento da Capoeira em Minas Gerais.

Em nível de Brasil, podem ser encontradas na Internet várias associações, confederações e até associação de professores de capoeira. Como se vê, é uma das áreas mais agitadas e bem estruturadas da cultura brasileira de influência africana.

2003 © Todos os direitos reservados a Tarcísio José Martins


[1] Falares Africanos na Bahia, Yeda Pessoa de Castro, pg. 201.